ADVOGADO QUE OCULTOU CADÁVER TEM PRISÃO EM FLAGRANTE CONVERTIDA EM PREVENTIVA

Advogado que ocultou cadáver da namorada tem prisão em flagrante convertida em preventiva em audiência de custódia em Balneário Camboriú

0 259

O advogado de 42 anos preso em flagrante por ocultação de cadáver na comarca de Balneário Camboriú teve a prisão convertida em preventiva durante audiência de custódia realizada na tarde desta quinta-feira (04/04) na 2ª Vara Criminal da comarca de Balneário Camboriú, pelo juiz Gilmar Antônio Conte. O homem foi preso no dia anterior, após negociações para a rendição que duraram mais de 24 horas e mobilizaram policiais militares e civis na cidade.

Ele foi encaminhado para a Penitenciária da Canhanduba, em Itajaí, onde já estava detido desde a noite de quarta-feira, quando a juíza plantonista Bertha Rezende decretou a prisão preventiva pelo crime de feminicídio. O advogado manteve no apartamento, o corpo da namorada, uma advogada de 30 anos, impedindo a entrada de qualquer pessoa no local.

Na audiência de custódia desta tarde, o magistrado manteve a decisão que decretou a prisão preventiva, firmada pela juíza plantonista e solicitou vaga com urgência junto ao Hospital de Custódia de Tratamento Psiquiátrico (HCTP), para a realização de exame de sanidade mental.

“Diante das declarações do conduzido neste ato e do teor da carta apreendida nos autos, nas quais o mesmo diz ter surtos psicóticos e visões (…) , este juízo entende em promover o incidente de insanidade mental, de ofício, determinando que sejam formulados os autos em apartado, com os quesitos de praxe, ficando a acusação e defesa intimados para eventuais quesitos suplementares, no prazo legal”, citou o juiz da 2ª Vara Criminal. Ele também recomendou, junto ao presídio, a urgente necessidade de consulta psiquiátrica e eventual administração de medicamentos necessários ao tratamento, que o conduzido diz já estar fazendo.

O caso, doravante, tramitará em segredo de Justiça por se tratar de crime praticado no âmbito da violência doméstica.

Entenda o caso: 

Lucimara Stasiak – foto redes sociais

O advogado Paulo de Carvalho Souza de 42 anos é suspeito de matar Lucimara Stasiak de 29 anos a facadas há cerca de 6 dias, e manter o corpo dentro do apartamento com gelo, supostamente para disfarçar o cheiro,  no edifício Ilha de Paquetá, rua 3150 no centro de Balneário Camboriú. Os vizinhos teriam suspeitado de Paulo pois ouviram uma briga entre o casal na última quinta-feira, e após isso Lucimara não foi mais vista, além disso os vizinhos notaram a entrada de Paulo com sacos plásticos e gelo, e acionaram a polícia.  Os policias do BOPE conseguiram entrar no apartamento e confirmar a morte de Lucimara, porém, Paulo se trancou na sacada, pedindo que ninguém se aproxima-se, caso contrário iria se jogar do sétimo andar.

O corpo de Lucimara permaneceu no apartamento durante toda a ocorrência, para que o local do crime não fosse alterado, enquanto Paulo não se rendesse. Paulo disse aos policias que teve um surto psicótico e achou que esfaqueava aranhas e não Lucimara.

De acordo com a PM, um amigo de Paulo afirmou que o advogado tem um histórico de crises, já foi internado e atualmente toma remédios controlados.

De acordo com o laudo do IGP (Instituto Geral de Perícias) Lucimara sofreu 14 facadas, principalmente no tórax e abdômen, além de marcas no pescoço e um ferimento na testa, a advogada ainda possuía marcas no braço, indicando que tentou se defender.

Chegou a conhecimento dos policias que Paulo já teria tentando se matar em outra ocasião e que o mesmo fazia uso de anti-depressivos, porém o delegado alegou que, o fato de ingerir remédios controlados não é motivo para atentar a vida de outrem de tal forma. Acredita-se que a motivação do crime tenha sido devido algum problema relacionado a relação amorosa dos dois.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.