AS SUAS OBRIGAÇÕES COMO FILHOS DE DEUS NO REINO DOS HOMENS

0 300

_As suas obrigações como filhos de Deus no reino dos homens_

“É dever do crente conferir a César as coisas que são de César e a Deus as coisas que são de Deus”.  Palavras de Cristo

Os filhos da graça, chamados para professar a prática do amor, vêm das esferas espirituais, evoluídas, deveria todos nós, homens de fé, mostrar-se como sendo o destruidor eficiente do instinto de ódio dos cidadãos descrentes e belicosos dos reinos primitivos.  Digo isto, porque nos reinos de cima, diria, nos mundos celestes, não existem conflitos de ordens destrutivas, não deveis atacar os caminhos antigos; vós sois hábeis para pôr o fermento da nova verdade no meio das velhas crenças. Deixai que o Espírito da Verdade faça o seu próprio trabalho. 

Como homens mortais e materiais, vós sois de fato cidadãos dos reinos terrestres e devereis ser cidadãos bons, e tanto melhor que vos tenhais tornado filhos renascidos do espírito do Reino do céu, com plena condição de sobrevivência eterna (ressurreição). Prestais bem atenção, os filhos de Deus, são habitados pelo Espirito Divino, aquele, outorgado por Jesus no dia de Pentecostes, todos com mente criativa, sem exceção, o espirito está na mente com os ajudantes pré-determinados.   Os Filhos de Deus, são reconhecidos pelo amor dotado do Reino espiritual, deveria agirem como sendo o destruidor eficiente do instinto de ódio dos cidadãos descrentes e belicosos dos reinos primitivos. 

Como filhos esclarecidos pela fé e de espíritos liberados do Reino celeste, vós estais diante da responsabilidade dupla do dever para com o homem e do dever para com Deus e, ao mesmo tempo, voluntariamente, assumir uma terceira e sagrada obrigação: o serviço à irmandade dos crentes que conhecem a Deus. Mas, esses filhos de mentes materialistas, vivendo nas trevas, nunca saberão da vossa luz espiritual para a verdade, a menos que vos aproximeis bastante deles naquele serviço social generoso que vem naturalmente como o fruto do espírito o qual cresce na experiência de vida de todo indivíduo que crê.

A ordem não é minha, vem do Criador e se negligenciar a responsabilidade é por inteira vossa, “lembrai-vos que tendes a missão de pregar este evangelho do Reino — o desejo supremo de cumprir a vontade do Pai combinado à suprema alegria da realização pela fé da filiação a Deus” Pois, lembrei-vos que o Filho descido do céu, fez a vontade do Pai, e mostrou a todos, como humano que é possível fazer, porque ele veio e fez, então não poderá alegar ignorância deste fato, contra ele não haverá argumento e sim “apartai-vos porque nas vossas atitudes não a semelhanças e nem vontade de cumprir a vontade do Pai que está acima de você e de todos”.

Você como Filho de Deus, daí mostras de sabedoria e manifestai sagacidade no vosso trato com os dirigentes civis descrentes e sem fé. Para melhor discernimento, mostrai-vos hábeis em remover as diferenças menores e em ajustar os pequenos mal-entendidos. De todos os modos possíveis — em tudo que não exija o sacrifício da vossa lealdade espiritual aos dirigentes do Universo —, buscai viver pacificamente com todos os homens. Sede sempre sábios como as serpentes, e inofensivos como os pombos.

As características que acompanha os filhos de Deus, Eles não entram em lutas físicas com os homens, não usam dos seus privilégios e do poder para massacrar seus irmãos. Mostra misericórdia mesmo àqueles que os abusam com desprezo. Demonstra nas suas atitudes, cidadãos leais, trabalhadores, voluntários nas causas nobres, artesãos probos, vizinhos dignos de louvor, membros devotados da família, pais compreensivos e crentes sinceros na fraternidade do Reino do Pai. E o meu espírito, disse Jesus, ele pairará sobre vós, agora e mesmo até o fim do mundo.

A ministração da palavra dos evangelhos deve ser de graça acompanhada dos frutos do amor, por isso, Jesus Cristo, revelou a verdade sobre a fraternidade da religião de fato, e ela não poder violar este princípio, não deveis buscar promulgar a verdade nem estabelecer a retidão pelo poder dos governos civis, ou pela aplicação das leis seculares. Vós podeis trabalhar sempre para persuadir às mentes dos homens, mas não deveis jamais ousar obrigá-los. Não vos deveis esquecer da grande lei da justiça humana, que Cristo vos ensinou de forma pacifica e positiva: “fazei aos homens aquilo que gostaríeis que os homens fizessem a vós”.

José Santana

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.