Briga polariza Brasil e destila ódio e indiferença pelo Poder

0 376

” por causa da rapidez que as pessoas julgam e fazem juízo de valores do outro sem olhar para dentro de si, sem fazer o exame de consciência, se fizer vai descobri a célebre frase, “não julgueis com injustiças para não ser julgados pela justiça, não faça ao outro aquilo que não deseja para você, esta parte final os animais já sabem e praticam todos os dias”

As eleição presidencial realizada em outubro de 2014 para eleger o presidente do Brasil, Tinha na disputa a candidata à reeleição Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores(PT), polarizou entre os candidatos Dilma do PT e Aécio Neves (PSDB), A candidata petista venceu o segundo turno com 51,64% dos votos válidos, fazendo com que esta seja considerada a eleição mais acirrada no Brasil após a redemocratização.

A eleição foi marcada pela morte do candidato Eduardo Campos, do Partido Socialista Brasileiro (PSB), em um acidente aéreo no dia 13 de agosto de 2014, enquanto fazia campanha eleitoral nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. A eleição também foi marcada por uma instabilidade no Brasil, devido às manifestações de 2013 e as crises política e econômica que afetavam o país.

A Operação Lava Jato iniciada em 17 de março de 2014 para apurar um esquema de lavagem de dinheiro suspeito de movimentar mais de 10 bilhões de reais, em 2014 estimado em mais de 20 bilhões de reais. A operação recebeu esse nome devido ao uso de uma rede de lavanderias e postos de combustíveis pela quadrilha para movimentar os valores de origem ilícita.

Outras manifestações continuaram sendo realizadas no país durante os anos de 2013 e 2014, organizadas principalmente por organizações como o Movimento Brasil Livre (MBL) e o Movimento Vem pra Rua, tendo como principal motivo a corrupção e inclusive solicitando a saída de Dilma do cargo de presidente. Especialmente nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, as manifestações persistiram, porém com um caráter violento, tendo surgido outros viés de manifestações, como os black blocs e movimentos neonazistas, que foram controlados com atuação da Força Nacional de Segurança Pública e do Batalhão de Operações Policiais Especiais.

Nesta polarização, em busca do Poder, elementos da política nacional e lideranças importantes do Supremo Tribunal, Congresso Nacional e dos CNMP e CNJ, fecharam os olhos para destilamento do ódio, sobretudo, nas redes sociais, onde a rinha se tornou um campo sem regras e sem lei, ferramenta de informações que serviu a propósito escuso de incitação ao ódio, racismo, segregação, separatismo, violência desmedida, grande parte das eleitores estavam nas redes sociais e foram de certa forma incitados participar da onda de mentiras (fakes News) que passaram atacar os fundamentos da Democracia, do Estado de Direito e a Liberdade de Expressão, um enredo de filme de terror, as eleições no Brasil passou de um processo de escolha democrática para o silencio da escolha sem debates de ideias e de projetos de nação, “silêncio” impostos pela inconsequente onda de ódio, que dividiu famílias, comunidades, cidades estados e a nação, de um lado os donos da verdade e do outros os donos da mentira, neste jogo de quem é o dono da verdade, o país caiu numa armadilha que já destruiu impérios e desapareceu com nações do mapa.

Confesso que sofri e continuo sofrendo, pois o Brasil é uma nação de paz, fundada por maioria de imigrantes, pessoas que sofreram as mais terríveis perseguições , fomos formados por índios que por mais de 500 anos, foram massacrados, mortos e varridos dos seus habitats , por negros sequestrados dos seus povoados na África e jogados no trabalho escravos, por 12 gerações, se não bastasse, vieram depois os imigrantes ilegais da Europa, fugidos da primeira guerra, depois os povos da Itália, Alemanha, Espanha, e depois por japoneses e por último, milhares de árabes e latinos , pessoas com histórico segregado, aqui fizeram suas vidas e formaram suas famílias, porém, como tem o ditado que a história se repete, estamos numa polarização, irmãos contra irmãos, estados e regiões reclamando separação, e muito ódio, mas muito ódio, as pessoas não discute ideias, elas discutem coisas, não falam do macro, muitas perderam o juízo por completo, são rápidas para julgar sem ao menos conhecer da acusação, da defesa e dos fatos, são como crianças de cinco anos, não ponderam, não apuram, são críticos com viés ideológicos e extremos.

Lemos alguns comentários de pessoas esclarecidas, com formação acadêmica, que penso que devo estar num mundo primitivo, de raças canibais, uma pessoa faz um discurso e diz que todos tem que comer merda, outra, logo, é claro, repudia e exige reparação do regresso sanitário, ai pessoas enlouquecidas, partem para o ataque severos adjetivos, com palavras de baixo calão, com ofensas sem precedentes, atacam a instituição que é um objeto e esquecem de ponderar o fato e o suposto mal feito do indivíduo, “São soberanos, senhores de todas as causas, donos da verdade, advogado, acusadores e juízes” vejo isso e constato que regredimos duas gerações, as nações e os povos são evolutivos, passam, testam e sobrevivem as experiências, muitas delas causam terríveis perseguições, sofrimentos, mortes e genocídios, aprendem com tempo que escravizar é crime contra a humanidade, aprendem que guerras mundiais são feitos de povos primitivos, aprendem que o sexo oposto é tão igual quanto e que os direitos são iguais, aprendem que negros, índios, latinos, refugiados são filhos dos mesmos gêneses, compostos do mesmo DNA e que todos são filhos de um única origem, causas e efeitos, humanos destas índoles quando descobrem o diálogo, a comunicação, o livre arbítrio, passam a praticar a democracia, passam a lutar pela vida do outro, ama os outros povos e passam a defender os animais como seres sencientes, e como um ser tão igual na dor como nós, e hoje, vemos que mesmo com todas as Eras de evolução há pessoas tão desumanas e desequilibradas que na sua personalidade reflete o ódio a insensatez e o egoísmo.

Finalizo, com sentimento abalado, mas com esperanças que juízo retome o seu lugar, a desesperanças segue de longe ao status quo, por causa da rapidez que as pessoas julgam e fazem juízo de valores do outro sem olhar para dentro de si, sem fazer o exame de consciência, se fizer vai descobri a célebre frase, “não julgueis com injustiças para não ser julgados pela justiça, não faça ao outro aquilo que não deseja para você, esta parte final os animais já sabem e praticam todos os dias.

José Santana

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.