Conferência Estadual de Ciência Tecnologia de termina com conjunto de informações subsidiar ações na área

0 6


A VI Conferência Estadual de Ciência Tecnologia terminou nesta quinta-feira, 10, com a apresentação dos resultados obtidos após 12 reuniões – duas em cada uma das seis mesorregiões de Santa Catarina. Nesses encontros, foram mapeadas as percepções dos representantes de cada setor sobre a CTI de sua região e comparadas com a conferência anterior, realizada em 2015. Todos estes dados e informações servirão de base para planejar estratégias de crescimento e fortalecimento deste ecossistema.

Foram 12 encontros regionais, realizados no formato on-line devido à pandemia, sendo seis para a coleta da análise de percepção e outros seis para a apresentação dos resultados em cada uma das regionais: Grande Florianópolis, Serrana, Sul, Norte e Planalto Norte, Oeste e Meio-Oeste e Vale e Alto Vale do Itajaí. A conferência teve 1.276 inscritos, de 67 cidades. No YouTube, 2.246 assistiram aos eventos.

Os resultados finais foram apresentados pelo professor Roberto Pacheco, coordenador do PPGEGC. “Há um resultado que não é possível colocar em powerpoint ou em vídeo e apareceu em todas as sessões regionais e hoje na abertura. O principal resultado da conferência chama-se congraçamento, encontro. E acho que os Centros de Inovação têm a bola na marca do pênalti. Eles são exatamente o que nós não tínhamos em 2015 como habitats, os entes que têm a missão de fazer a promoção do capital relacional”.

>>> Clique aqui para assistir à apresentação dos resultados

A VI Conferência é organizada pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) e pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE). Conta com a colaboração da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), e Rede Catarinense de Centros de Inovação. A metodologia foi idealizada pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento (PPGEGC), da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

A importância da conferência

O secretário da SDE e presidente do Conselho Superior da Fapesc, Luciano Buligon, representou o governador Carlos Moisés da Silva. “A conferência demonstra que temos um ecossistema vivo. Ela é uma balizadora de processos de pesos e contrapesos, importante para entender o que se ganhou até hoje, o que se validou, o que devemos fazer daqui para a frente como política pública. Mas, acima de tudo, consolida Santa Catarina como um ecossistema de todos os catarinense. As quatro hélices precisam estar em harmonia e conversando. E nada melhor do que a conferência para fazer isso.”

Para o presidente da Fapesc, Fábio Zabot Holthausen, a conferência encerra um ciclo importante para Santa Catarina com a coleta e análise preliminar das informações, que vão subsidiar novas ações e o planejamento de todos os atores do ecossistema de CTI do estado. E agradeceu aos atores das quatro hélices: governo, setor produtivo, academia e sociedade civil. “Vamos conseguir ter informações mais precisas de como está o Estado de Santa Catarina em cada região, numa visão extremamente realista. E que vai nos permitir planejar as ações da Fapesc e as ações do Governo do Estado para os próximos anos. A semente que estamos plantando hoje, com certeza, dará frutos lá na frente. Mas se não semear, não regar e não investir, teremos lacunas que serão difíceis de ser trabalhadas”, afirmou. Finalizou agradecendo aos organizadores e participantes, bem como informando que a Fapesc seguirá firme em seu propósito de levar oportunidades de CTI para todas as regiões de Santa Catarina.

O presidente do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), Odir Dellagostin, parabenizou as lideranças pela realização da conferência. “É fantástico que o Estado de Santa Catarina esteja fazendo isso, essas entregas à sociedade”, afirmou. “Com esta conferência o Estado está conseguindo mobilizar as pessoas. O simples fato de promover a discussão e reflexão sobre problemas e fragilidades e oportunidades já mobiliza e eleva o nível de discussão. Ter informação é fundamental para conseguir tomar a decisão correta, desenvolver e criar políticas públicas relevantes e eficazes.”

O coordenador-geral de Ambientes Inovadores e Empreendedorismo do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, José Antonio Silvério, representou o ministro Marcos Pontes. Entre os diversos temas que abordou, falou da importância do Projeto Centelha, inspirado em Santa Catarina, e parabenizou a interiorização do ecossistema por meio dos Centros de Inovação. “Estou interessado em ouvir tudo o que vocês levantaram no Estado. E digo que Santa Catarina geralmente é o exemplo que eu utilizo aqui para tentar levar para os demais aquilo que vocês têm feito com sucesso.”

O coordenador do Ágora Tech Park Joinville, Jean Vogel, representou todos os Centros de Inovação de Santa Catarina no evento. “As conferências são o melhor instrumento para a gente ajudar o gestor, no caso a SDE e a Fapesc, a direcionar suas políticas públicas, a construção dos editais, dos programas de fomento. Santa Catarina tem vários adjetivos que a gente pode colocar. Acho que a principal é a união do ecossistema. E vimos isso durante as rodadas regionais”.

O diretor de Administração e Finanças do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/SC), Anacleto Ortigara, representou a sociedade civil organizada. “Trabalhar com a percepção da origem e do destino que se pode dar, conhecendo a distância entre o que produziu e o que poderá se fazer com o que se conheceu, através das buscas que foram feitas em todas estas mini conferências feitas em todo o território, é sem dúvida um elemento imprescindível para se direcionar estratégias que consolidam a posição do Estado no cenário Brasileiro como expoente”.

O superintendente do Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina (IEL/SC) e diretor de Inovação e Competitividade da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), José Eduardo Azevedo Fiates, representou o setor produtivo catarinense. “Quero dar os parabéns pela realização do trabalho, que é fundamental para estabelecer as diretrizes de desenvolvimento de Estado. Principalmente porque é uma sequência de um trabalho começado a algum tempo. Os governos, o governador e o secretário têm enfatizado muito o fato de termos planos de Estado e não planos de governo apenas.”

O reitor da Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó), Claudio Alcides Jacoski, representou a Associação Catarinense das Fundações Educacionais (Sistema Acafe) e todas as instituições de ensino de Santa Catarina. “É um momento importante para Santa Catarina, onde podemos visualizar um futuro promissor a partir das estratégias que estão sendo desenvolvidas. Esta caminhada vai dar elementos importantíssimos para descobrir as nossas deficiências, dificuldades, mas também levantar planos e ações para nos direcionar para os próximos anos.”

Mais informações para a imprensa:
Maurício Frighetto
Assessoria de Imprensa
Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de SC – Fapesc
E-mail: mauricio@fapesc.sc.gov.br
Telefone: (48) 99932-4209
Site: www.fapesc.sc.gov.br

Fonte: Governo SC

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.