CORRUPÇÃO: PREFEITO DO (PSL) DA CIDADE DE CONTENDA É AFASTADO POR NEPOSTISMO

De acordo com a denúncia, há suspeita de nepotismo, fraude na contratação de um barracão, utilização de espaço público para realização de atividades particulares e ameaça a um vereador.

O Prefeito de Contenda/Paraná, Antônio Adamir Digner, conhecido como Mostarda (PSL), foi afastado das funções, por 60 dias, pela CPI que o investiga na Câmara Municipal. Desde o dia 13 de outubro, ele é investigado por nepotismo e irregularidades na locação de um terreno que serve de estacionamento para máquinas e veículos da prefeitura.

Comissão investiga suspeita de nepotismo, fraude em contratação de terreno, utilização de espaço público para realização de atividades particulares e ameaça a vereador. Investigados negam irregularidades.

De acordo com a denúncia, há suspeita de nepotismo, fraude na contratação de um barracão, utilização de espaço público para realização de atividades particulares e ameaça a um vereador.

Segundo a denunciante, a ex-vereadora Simone Bojano, que também foi candidata a prefeita nas ultimas eleições, o local alugado, além de menor, tem um valor mais alto e seria uma propriedade particular de parentes da sobrinha do prefeito, Simone Polak Silva, que é secretária de Finanças do Município.

Outro parente empregado na prefeitura é o secretário de Governo de Contenda, Emanoel de Souza e Silva, que também é sobrinho de Mostarda. Segundo o próprio prefeito, Emanoel é seu “braço direito”. Ainda, com o cargo de secretária de Assistência Social, está a própria esposa do prefeito, Angela Mayer de Souza Digner.

O que dizem os citados

O prefeito de Contenda, Mostarda, lamentou a decisão da CPI e negou as acusações.

Ele afirmou que não há irregularidade nas contratações e “que isso inclusive ocorre em diversos municípios o mesmo em Contenda em gestões anteriores”.

Sobre a contratação do barracão, ele disse que foram feitas negociações para manter o antigo terreno contratado, mas que não houve acordo. Ele também disse que o local antigo não tinha condições de trabalho e tinha riscos de desabamento.

“Uma Dispensa de Licitação foi realizada, como manda a lei, e um novo local foi contratado sem qualquer indicação ou direcionamento, ficando isto unicamente a cargo da Comissão Avaliadora”, afirmou.

Em relação ao chefe de gabinete, o prefeito afirmou que “foi um fato isolado e que não causou qualquer prejuízo ao erário público”.

Comentários estão fechados.