Critica O Bom Dinossauro

326

oiO que os nossos brinquedos fariam quando não estamos por perto? E se o bicho papão não conseguisse voltar para “casa” depois de visitar o quarto das crianças à noite? Se a sua família tivesse superpoderes, como fazer para esconder as habilidades do restante da sociedade? Foi assim, brincando com a imaginação de crianças – e adultos! – que a Pixar construiu um line-up de longas de animação capaz de emocionar o mais duro dos habitantes do planeta, ao longo de pouco mais de 20 anos de história(s).

O Bom Dinossauro – FotoCom O Bom Dinossauro, a premissa é: e se o asteroide que atingiu a Terra há 65 milhões de anos, extinguindo os dinossauros, tivesse errado o alvo? Um ponto de partida criativo e condizente com as especulações fantasiosas do estúdio a respeito do “cotidiano”, mas que resulta em um filme que não tem a mesma força das produções anteriores da companhia.

Note que “não tem a mesma força das produções anteriores da companhia” não significa não ter força nenhuma. Apesar de não ser exatamente emocionante (no sentido de excitante), The Good Dinosaur (no original) é emotivo; ou seja, apela para o coração, mais do que entrega uma experiência de diversão completa – a que a Pixar nos acostumou (ainda mais com a complexidade de Divertida Mente fresca no imaginário).

O Bom Dinossauro – FotoNa trama, uma vez que a tragédia maior (a colisão) é evitada, conhecemos Arlo, um dino teen, e sua família. A espécie do nosso herói vive em paz com a família, tendo a agricultura como base da sobrevivência do grupo – outra boa sacada, quando o filme do diretor Peter Sohn (estreando no comando de um longa, ele é um rosto conhecido da empresa – literalmente – uma vez que, além de ter trabalhado no departamento artístico e no texto de filmes como Ratatouille e Wall-E, serviu de inspiração para o menininho de Up – Altas Aventuras) põe nas patas dos jurássicos animais o desenvolvimento da prática agrícola como inevitável.

Após viver uma tragédia pessoal, o jovem protagonista se perde da família e – ao formar uma dupla com o humano Spot (menino, que é uma espécie de animal de estimação do dinossauro), tem como missão a jornada de volta para casa.

O Bom Dinossauro – FotoFoi-se o tempo em que as animações eram um tipo de produção destinado única e exclusivamente ao público infantil. Os supracitados (ou referenciados) Toy Story, Monstros S.A. e Os Incríveis (só para permanecer na Pixar), por exemplo, são provas de que “desenho animado” pode agradar tanto às crianças quanto aos pais que as levam aos cinemas. E é nesse sentido que O Bom Dinossauro deixa a desejar. Com uma trama quase pueril, o resultado é “apenas” infantil.

A aparição do Forrest Woodbush (voz do próprio Sohn), um tricerátopo meio hippie, meio nonsense, é um lampejo em meio aos personagens um tanto quanto previsíveis. Mas é só uma participação, infelizmente, desse que poderia ser o alívio cômico do filme.

O Bom Dinossauro – FotoO foco na separação (mesmo que momentânea) da família, explorado à exaustão pelo cinema do gênero (Bambi? O Rei Leão? Em Busca do Vale Encantado – este, inclusive, protagonizado por dinossauros?) é replicado aqui com uma sensação de déjà vu. A novidade fica por conta da equipe técnica, capaz de recriar o cenário de maneira tão realista, que se confunde com o live action – num nível nunca antes visto na história dessa companhia.

É sutil a construção das relações entre os personagens – principalmente o elo que se estabelece entre Arlo e Spot –, com o intuito de espalhar a mensagem do quão importante a família é – o que é conduzido evitando a pieguice (ufa!). No fim, fica difícil não chorar com O Bom Dinossauro; tampouco rir.

Comentários estão fechados.