ex-presidente peruano Alan Garcia se mata após ordem de prisão

Após realizar o disparo contra a própria cabeça, García foi levado ao hospital Casimiro Ulloa, mas não resistiu

0 52

Alan García, ex-presidente do Peru, cometeu suicídio na manhã desta quarta-feira, 17, com um tiro na cabeça quando policiais chegaram em sua residência, na capital do país, para prendê-lo por conexões com uma investigação sobre suborno no caso relacionado à construtora brasileira Odebrecht, informou seu advogado. Ele chegou a ser levado para um hospital onde passou por cirurgia, mas não resistiu e morreu.

Entenda o Caso: Segundo a ordem judicial obtida pela agência Associated Press, a autorização para prender García foi emitida sob argumento de que o ex-presidente teria recebido US$ 100 mil da Odebrecht pagos de forma disfarçada como o cachê de uma conferência em São Paulo feita em 2012.

No Peru, a empresa disse que pagou US$ 29 milhões entre 2005 e 2014. O caso atingiu também os ex-presidentes peruanos Alejandro Toledo (2001-2006), Ollanta Humala (2011-2016) e Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018), todos sob investigação da promotoria.

Em dezembro, o Uruguai rejeitou o pedido de asilo de García, que buscou proteção no consulado uruguaio em Lima depois de um juiz reter seu passaporte na investigação sobre propinas pagas pela Odebrecht.

Ao negar a solicitação, o presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, disse que não havia provas que respaldassem a alegação de García de que era perseguido politicamente pelo atual presidente peruano Martín Vizcarra.

A Odebrecht está no centro do maior escândalo de corrupção na América Latina depois de ter admitido, em acordo assinado em 2016 com o Departamento de Justiça dos EUA, ter pago mais de US$ 800 milhões em propinas em diversos países da região para ser beneficiada em grandes obras de infraestrutura.

O Peru é um dos países mais afetados pelo escândalo de corrupção da Odebrecht, que
admitiu ter pago 29 milhões de dólares em subornos ao longo de três governos
peruanos, incluindo o segundo de García.

Devido ao caso Odebrecht também estão sendo investigados os expresidentes Alejandro Toledo (2001-2006), que fugiu para os Estados Unidos e enfrenta um pedido de extradição, e Ollanta Humala (2011-2016), preso por um ano e que agora responde ao processo em liberdade condicional.

O ex-presidente Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018), que renunciou em março de 2018 após denúncias de corrupção, foi preso na semana passada, em 10 de abril, de forma temporária. PPK (como é conhecido) pediu nos últimos dias para ser transferido para uma clínica, por estar com hipertensão.

García foi presidente do Peru entre 1985-90 e 2006-2011. Ele seria detido em sua casa de Lima no distrito residencial de Miraflores ao amanhecer de hoje.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.