Gerações juntas

0 402
Estrela do estante da Suzuki no Salão do Automóvel de São Paulo de 2018, a quarta geração do SUV compacto Jimny, chamada de Sierra, será lançada oficialmente no Brasil em novembro. O carro, totalmente novo, chega em três versões, a 4YOU com câmbio manual e duas automáticas, a 4YOU e a 4Style. A quarta geração conviverá com a atual do Jimny, produzida na fábrica de Catalão (GO). “Desde seu lançamento internacional, o Sierra tem feito sucesso nos países onde já é vendido – vários têm fila de espera. É um SUV com identidade própria e uma incrível capacidade off-road. Sem dúvida, conquistará os clientes brasileiros”, comemora Fernando Julianelli, diretor de Marketing da Suzuki Veículos. O Sierra inaugura o motor 1,5 litro de 108 cavalos e 14,1 kgfm de torque. Por dentro, traz a modernidade do sistema multimídia de 7 polegadas com a conectividade dos sistemas Apple CarPlay e Android Auto e ar-condicionado digital automático. O interior prioriza a praticidade com materiais duráveis, fáceis de limpar e resistentes a riscos.

Smartphone sem freio

Na segunda parceria da McLaren Automotive e a OnePlus, surge o mais novo smartphone da praça – mas para um grupo seletíssimo –, o 7T Pro McLaren Edition, inspirado no design dos supercarros de rua produzidos pela marca inglesa, concebido para estar intimamente conectado com os “bólidos”. Incrivelmente rápido – como os carros da fabricante –, com 256 GB de armazenamento UFS 3.0 e 12 GB de RAM LPDDR4X, o OnePlus 7T Pro McLaren Edition combina hardware principal com software refinado para um desempenho sem travar nunca. Se os superesportivos têm freios de competição, o smartphone premium não sabe o significado da palavra “travamento”. “Estamos entusiasmados por mais uma vez lançar um dispositivo McLaren de edição limitada com nosso parceiro OnePlus. Somos duas marcas desafiadoras cuja busca incansável pela inovação atinge seu auge com o novo 7T Pro McLaren Edition, que celebra a paixão compartilhada de nossas marcas por design, artesanato e inovação, e esperamos ver como isso é recebido pelos fãs de tecnologia em todo o mundo”, diz Mike Flewitt, CEO da McLaren Automotive. O aparelho custa a “bagatela” de 799 libras esterlinas, algo em torno de R$ 4,2 mil – absolutamente nada para um dono de um McLaren.

Fino da bossa

A Renault anuncia o início das vendas da nova série limitada Captur Bose. Equipado com o sistema de som referência no mercado, a série recebe um amplificador digital customizado de sete canais com equalização exclusiva, tweeters de 25 milímetros com ímã de neomídio no painel dianteiro, woofers de 165 milímetros nas portas dianteiras e alto-falantes de 130 milímetros com ímã de neomídio nas portas traseiras, além de um subwoofer de 150×230 milímetros, igualmente com ímã de neomídio e tecnologia exclusiva Bose Fresh Air Subwoofer no porta-malas, em posição que não diminui o espaço para bagagem. A série chega em duas versões, a 1.6 CVT X-Tronic, com preço de R$ 95.990, e a 2.0 automática, a R$ 96.990. Ambas recebem novos revestimentos em couro sintético nos bancos, nas soleiras de porta com assinatura Bose e nos badges próximos aos retrovisores externos. A série também inaugura uma nova combinação de pintura biton exclusiva para a configuração: carroceria Cinza Cassiopée com teto Prata Étoile e outras três combinações: Preto Nacré com teto Prata Étoile, Branco Glacier com teto Preto Nacré e Vermelho Fogo com teto Preto Nacré.

Mais inclusão

Atenta ao segmento para PcD (Pessoas com Deficiência), que cresceu de 84 mil unidades vendidas em 2014 para 246 mil em 2018 (aumento de 246%), a Fiat acrescenta em seu portfólio o Cronos 1.8 automático. O modelo reúne atrativos que esse público mais procura, como amplo espaço interno, um dos maiores porta-malas da categoria, com 525 litros, e o câmbio automático, além do motor 1.8 de 139 cavalos e torque de 19,3 kgfm. A lista de série inclui itens como central multimídia com tela de 7 polegadas “touchscreen” com espelhamento para Apple CarPlay e Android Auto, volante multifuncional, sensor de pressão dos pneus, alarme antifurto, sensor de estacionamento, Hill Holder (auxilia nas arrancadas do veículo em subida), controles de tração e estabilidade, frenagem de emergência, direção elétrica progressiva, controle eletrônico da aceleração, iluminação do porta-malas e banco do motorista com regulagem de altura. Com desconto no IPI e isenção do ICMS, o Cronos 1.8 automático para PcD sai por R$ 54.655.

Mega celebração

Não há dúvidas de que o Mini Cooper é um dos carros mais carismáticos do mundo. E isso ficou evidente, mais uma vez, durante as celebrações dos sessenta anos do clássico britânico, surgido em 1959. No Brasil, o palco das comemorações foi a cidade de Campos do Jordão, no interior do Estado de São Paulo, com a presença de mais de cem modelos e cerca de trezentos entusiastas da fabricante, atualmente controlada pela BMW, de diferentes regiões do país. Uma caravana de veículos raros e contemporâneos da marca, a Mini Parade, percorreu as Rodovias Presidente Dutra e Carvalho Pinto, chamando a atenção por onde passou. Na Europa, o ponto alto das festividades ocorreu durante o Encontro Internacional de Mini, considerado o maior evento de clubes e proprietários do modelo no planeta. O evento marcou o encerramento de uma carreata que partiu de Atenas, na Grécia – homenagem à origem grega do pai do Mini, o designer Alec Issigonis –, com destino à Bristol, na Inglaterra. No total, o percurso somou mais de 4 mil quilômetros, passando por dez países e cidades como Sofia (Bulgária), Belgrado (Sérvia), Budapeste (Hungria), Bratislava (Eslováquia), Viena (Áustria), Praga (República Tcheca), Dresden e Leipzig (Alemanha), Roterdã (Holanda) e Oxford (Inglaterra). A edição especial e limitada que celebra os sessenta anos do lançamento oficial do Mini clássico também foi disponibilizada ao mercado brasileiro. Produzidas em Oxford, as vinte e cinco unidades da série oferecidas no país têm configuração hatch de três portas e motor 2.0 Cooper S turbo de 192 cavalos de potência e 29 kgfm de torque.

Autônomo inusitado

A Toyota apresenta no Salão de Tóquio, de 24 de outubro a 4 de novembro, um protótipo que promete estabelecer uma nova ligação emocional com o motorista. Além de elétrico, o LQ é dotado de tecnologia de condução autônoma de Nível 4 (elevado, porém, em situações como em condições meteorológicas adversas, cabe ao homem tomar as rédeas do veículo), desenvolvida pela própria marca japonesa. Com 4,53 metros de comprimento, 1,84 metro de largura, 1,48 metro de altura e uma distância de entre-eixos de 2,70 metros, o LQ pesa 1.680 quilos, oferece uma autonomia de trezentos quilômetros e uma lotação para quatro ocupantes, e impõe-se por uma aparência externa, no mínimo, inusitada. Com o nome de Yui, o dispositivo de inteligência artificial do LQ permite ao motorista interagir com o veículo por comunicação oral e observa permanentemente o estado de alerta e o emocional do condutor, ajustando ainda as configurações dos bancos, do ar-condicionado ou do ambientador, mediante a escolha de fragrâncias específicas para cada situação. O LQ procura uma vaga e estaciona sozinho.

Só para elas

Engajada no “Outubro Rosa”, movimento que tem a intenção de alertar a sociedade sobre o diagnóstico precoce do câncer de mama, a DPaschoal oferece um curso de mecânica básico gratuito desenvolvido exclusivamente para as mulheres. Desta vez, o evento será realizado nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo. As aulas, com duas horas de duração, serão ministradas por especialistas, que mostrarão os cuidados necessários para manter o veículo em boas condições. A companhia tem como intuito proporcionar que as mulheres conheçam seus carros um pouco mais e possam agir com mais embasamento quando acontecer algum problema ou mesmo na conscientização sobre a revisão de segurança para uma manutenção preditiva. As vagas são limitadas. “Atualmente, 35% dos clientes da DPaschoal são mulheres. Com nosso curso, é possível aprender, de maneira simples e prática, como conservar o carro, dicas sobre manutenção, direção defensiva e, principalmente, a troca na hora certa de peças que sofrem desgaste nos veículos, como pneus, amortecedores, bateria e freios”, comenta Victor Dante, gerente de Marketing da DPaschoal. Para mais informações, como locais e horários nos quatro Estados da Região Sudeste, as interessadas podem acessar www.dpaschoal.com.br .

Parada econômica

Desenvolvido em 2004 para o Citroën C3, o sistema start-stop, utilizado principalmente em veículos com transmissão automática, desliga o motor em rápidas paradas de trânsito e volta a acioná-lo quando o motorista aperta o pedal do acelerador. No caso de carro com start-stop com câmbio manual, o veículo deve estar em ponto morto e o pedal de embreagem não pode ser pressionado. Nos automáticos, o freio deve ser acionado durante a parada. Os principais motivos do sistema são para redução da emissão de gás carbônico e de combustível. As primeiras tentativas de desenvolvimento do start-stop foram em meados dos anos 70, na crise e elevação do preço do petróleo no mundo, mas foram infrutíferas porque ainda não existia a injeção eletrônica. O dispositivo é baseado geralmente no sistema de partida convencional, que tem como principais alterações a introdução de um motor de partida mais robusto e uma central eletrônica para gerenciar o sistema e entender quando o motor tem de desligar ou religar. Esse tipo é mais utilizado atualmente, por ser o de menor custo no desenvolvimento, na fabricação e na implantação. Para que o sistema possa entrar em funcionamento, existem algumas regras entendidas pela central eletrônica. O veículo precisa estar parado e com a rotação do motor em marcha lenta.

Material por Daniel Dias
Agência AutoMotrix

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.