Investigação de atentado de Marielle continua para apurar causa e mandante

0 252

O Ministério Público do Rio informou que investiga possíveis responsáveis por ordenar os assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes para apurar possível mando do crime. Nesta
terça-feira, 12, dois suspeitos pela execução foram presos. De acordo com a promotora Letícia Emile Petriz, o crime foi “muito bem planejado” de forma a dificultar as investigações e os processos judiciais. “Diversas técnicas novas foram empregadas, técnicas que não podemos revelar”, disse a promotora.

“A investigação não se finaliza neste momento, prossegue em uma segunda etapa, os autos foram desmembrados, continuaremos as investigações no intuito de apurar possível mando”, reforçou a investigadora.

Celulares

A polícia quebrou o sigilo de 2.428 antenas para monitorar celulares que estavam ligados no percurso percorrido pelos criminosos.
Mais de 33 mil linhas telefônicas foram analisadas.
318 linhas foram interceptadas.
O responsável pela investigação não revelou a técnica utilizada para monitorar esses aparelhos.

Testemunhas

230 testemunhas foram ouvidas, mas, de acordo com o Giniton Lages, esse não é um caso que pode ser resolvido com base em relatos.

2ª fase da operação

O chefe da Divisão de Homicídios da Capital, Giniton Lages, disse que apresentou nesta terça-feira apenas a primeira fase da investigação.

“O caso ainda está em aberto. Nós acabamos de dizer que estamos entregando a primeira fase. A segunda fase ainda está em andamento. Os senhores percebem que nós temos dois presos, mas há um problema aí. Nós temos 34 mandados de busca e apreensão em curso. É absolutamente incompatível. Por quê? Porque a segunda fase já está em curso.”

Segundo ele, a delegacia de homicídios nunca deu nenhuma conotação de motivação sobre esse crime. “Eu digo nunca porque nisso eu não permiti que ninguém errasse na delegacia de homicídios.”

Investigação do crime contra Marielle Franco — Foto: Igor Estrella/G1

Delegado revela que assassino de Marielle é ex-sogro de um dos filhos de Bolsonaro

Apareceu o primeiro vínculo concreto entre a família de Jair Bolsonaro e a de Ronnie Lessa: um dos filhos de Bolsonaro namorou a filha de Lessa. O fato foi confirmado pelo delegado responsável pela Divisão de Homicídios da capital fluminense, Giniton Lages, durante a entrevista coletiva sobre a prisão de Lessa e do outro assassino, o ex-PM Élcio Vieira de Queiroz. Bolsonaro e Lessa moram no mesmo condomínio na Barra da Tijuca, no Rio. Com os filhos namorando, que tipo de relação estabeleceu-se entre as duas famílias?

Num trecho quase inaudível da entrevista, um repórter não identificado pergunta: “Está confirmado que o filho mais novo de Bolsonaro namorou ou namora a filha de Ronie Lessa?”. Lages responde: “Está confirmado, mas isso não é objeto de investigação neste momento”. Em seguida, afirma: “Mas poderá ser mais pra frente”. Neste momento, Lages foi interrompido por alguém que não foi possível identificar na transmissão e o assunto desaparece da agenda.  O filho mais jovem de Bolsonaro é Jair Renan Bolsonaro, de 20 anos, mas o nome dele não foi mencionado na pergunta nem na resposta.  Fonte: https://www.plantaobrasil.net/news.asp?nID=103490&app=new 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.