ITAPEMA: BELONI EX-VEREADORA E CONSELHEIRA TUTELAR É DENUNCIADA EM DELEGACIA POR TRAFICO DE INFLUENCIA E ABUSO DE PODER

829
Dinâmica, audaciosa a mulher ainda é alvo de grande discriminação por aqueles que ainda acreditam que “lugar de mulher é no fogão” e por isso enfrenta o grande desafio de mostrar que apesar de considerada sexo frágil é muito forte, em relação as adversidades da vida e seus enfrentamentos. Beloni de Fátima

A Conselheira Tutelar, Sra. Beloni, cometeu irregularidade grave recentemente, quando, talvez por ser amiga da pessoa, se intrometeu em uma Medida Protetiva deferida pela juíza da Comarca de Itapema em favor de uma mãe e de sua filha menor contra o ex-marido da vítima.

Ocorre que, Beloni, utilizando-se do cargo de Conselheira Tutelar, procurou a mulher vítima do ex-marido e tentou convencê-la a “deixar de lado” a Medida Protetiva. Em seguida, Beloni se dirigiu à escola onde a filha menor da vitima estuda e convenceu-a a gravar um áudio para ser enviado ao seu pai, dizendo que o amava e que sentia saudades dele.

No entanto, a Medida Protetiva da juíza IMPEDE que o pai da menor tenha QUALQUER TIPO DE CONTATO com a filha devido a uns acontecimentos que não cabe ser falado aqui, mas que Beloni, enquanto Conselheira Tutelar, independente se é amiga ou não do pai da menor, deveria cumprir o seu papel de PROTEGER a menor, e não de “tomar partido” em um caso que possui decisão judicial mandando o çai da menor NÃO SE APROXIMAR DELA E DA MÃE NUM RAIO DE 200 METROS!
Se a juíza assim mandou, certamente é porque tem elementos muito fortes para isso.

Além do mais, Conselho Tutelar sempre existiu para PROTEGER a criança, e não para expô-las a um possível, constrangimento, violência, ameaça e até mesmo eventuais atos impróprios por parte de quem quer que seja…
A mãe fez Boletim de Ocorrência contra a Conselheira Tutelar Beloni, e vai fazer representação junto ao Ministério Público da Família.

Nota da Redação – Estas informações consta no Registro de B.O n.00466 DE 27/09/2107, na delegacia de Itapema, portanto, não divulgamos a imagem do B. O, porque na denúncia constar nome de criança.

Foi concedido o direito de resposta a acusada, portanto, a mesma ignorou, partiu para “ignorância” e não quis exercer o seu direito e ainda ameaçou a nossa reportagem de ser sua inimiga.
Na sexta-feira todo o desdobramento deste caso, nos principais jornais de cidade e na rádio 98.3 FM.
José Santana jornalistica responsável DrT 3982/SC