Itapemenses onde está a nossa vocação turística

23

Estamos em meio um dos eventos mais importantes do país, o que mais nos chamam atenção é envergadura do evento, da acessibilidade, da estrutura e da sua gratuidade, o que nos lavaria confiar que o público faria do Circuito Mundial, um sucesso de crítica e de público, porém, a impressão que mostra que os “anfitriões” não têm dando muita importância ao evento.

Durante a etapa o número de profissionais envolvidos deve atingir cerca de 180 entre árbitros, representantes da Federação Internacional de Voleibol (FIVB). Entre os atletas, somando os torneios masculino e feminino serão 174 jogadores e 87 duplas. Serão 28 nações representados na competição, incluindo nove medalhistas olímpicos, campeões mundiais e pan-americanos. As partidas serão exibidas ao vivo pelo canal SporTV a partir das semifinais, no sábado, e uma das finais contará com exibição da TV Globo no domingo de manhã.

O que há com os anfitriões ipanemenses que não tem em sua cultura o desejo de participação nos eventos de iniciativa pública, privada, sobretudo, ausências nas campanhas de saúde, nas sessões da Câmara, nas Audiências Públicas, nos fóruns de educação, nas reuniões de bairros, de associações e afins. Temos um problema sério a resolver, descobrir as razões e as aversões que os seus moradores nascidos ou não de frequentar, nutrem em suas culturas de se manter isolados e longe da sua vocação que é turística, se assim não fosse, não existiria!

Estivemos fazendo um “tur” pela cidade de Gramado no RS, um detalhe nos chamaram atenção, segundo um dos moradores mais antigo da cidade fundada em 1954, e que nestes 64 anos de história construíram na base do turismo sua vocação cultura local, organizando-se sobre as tutelas das etnias como a alemã e a italiana, qual são coluna mestra, que se reflete especialmente na cultura da culinária e na arquitetura urbana e rural. Toda a sua economia está voltada ao turismo de qualidade, a cidade recebe anualmente 7,5 milhões de turistas nacionais e estrangeiros.

O que fez Gramado se tornar a segunda cidade com maior atração turística do país, ficando tão somente atrás do Rio de Janeiro, os fundadores investiram na cultura e na educação dos moradores, desde o ingresso da criança na pré-escola, as lições de turismo e de bons modos, estão na cartilha dos deveres de cada membro da sociedade, influenciando nas grades das redes escolares do Município e do Estado, essa política teria produzido na cultura local, respeito e responsabilidade de cada cidadão para assumir o turismo como plataforma de trabalho, educação e de desenvolvimento da indústria que gera emprego de qualidade e distribuição de renda para todos.

Os investimentos em Gramado, foram estrategicamente estudados e manuseado de forma técnica e profissional com menor participação dos entes públicos e maior participação da iniciativa privada, permitindo a liberdade para as tomadas de atitudes empreendedoras no fito objetivo de promover as ideias, projetos, assim resultando em uma maior participação da comunidade e dos seguimentos sociais fomentando toda a economia local e regional.

Considerando que todos os moradores tem na veia o desejo e alimenta todas as práticas de turismo na cidade, desde a faixa de pedestre um símbolo da educação no trânsito, das repercussões em baixos índices de criminalidade, conquanto, surgiram as atrações para comunidade local e depois aplicada e desenvolvida para a visitação turistas, estão o Museu de Cera Dreamland, Harley Motor Show, Hollywood Dream Cars, Salão do Super Carros, Mirante Vale do Quilombo, o lago Negro, o lago Rita Bier, o pórtico de entrada via Taquara, o pórtico de entrada via Nova Petrópolis, o Mini Mundo, a Cascata Véu de Noiva, a Aldeia do Papai Noel, no Parque Knorr, o Palácio dos Festivais, a Praça das Bandeiras, a rua Madre Verônica (rua coberta), a praça Major Nicoletti, a Igreja São Pedro, o centro de cultura, o Museu dos Festivais de Cinema, igreja luterana, fábricas de chocolate, entre outros.

O turismo em Itapema deve ser repensado, uma vez que a única vocação da cidade, suas praias, além delas nada há para fidelizar, selecionar e qualificar o Turista. O turismo de verão, de praia, não é o mesmo que frequentam Gramado, pois, eles profissionalizaram o turismo de visitação e de negócios criando em torno deste nicho um agregado de produtos turísticos, que necessariamente quase que obriga os seguimentos a frequentar e a conhecer as novidades e o que vem para o futuro, nesta linha de pensamento, surgiram os diversos eventos como congressos e festivais que ocorrem durante todo o ano em Gramado.

Durante o Inverno, por exemplo, há o Estação Gramado, o principal evento nesta época do ano. A cidade recebe outros grandes eventos, como o Festival de Cinema de Gramado, Natal Luz, como também a Festa da hortênsias, Chocofest, Festival Internacional de Publicidade a Fenim (Feira Nacional da Indústria da Moda), dentre outros que não teremos espaço neste editorial para listar o poder da indústria turística quando levada a sério por seus cidadão, este fator, credencia Gramada, a academia superior em educação de Turismo para o resto do Brasil e ao Mundo.

Quanto a Itapema, a nossa maior indústria precisa mais do nunca foca nesta expertise e costurar um modelo de gestão que possa identificar na raiz da alma de seus populares residentes, as ferramentas para despertar nos empreendedores que o modelo atual levará consequentemente a saturação. Caso não implemente um diversificação no turismo, descentralizar a ideia de que só se tem a praia como ponto de atração, amadurecer a ideia de que a iniciativa privada é o melhor caminho para dinamizar a cultura do turismo e fazer dos 50 mil2, numa atração turística profissional aproveitando todos lugares, cantos em um nicho, de um restaurante um museu da pesca para visitação, de uma loja de construção civil um museu da indústria da construção civil, da prefeitura um museu histórico da sua fundação, de sua vocação e do legado da sua gente e de suas de gestões, da Câmara e Vereadores um museu das liberdades, da mata atlântica um passeio as diversas queda d’águas.

Considerando que poder-se-ia construir um museu da música, enfim, se pudéssemos registrar todas as ideias e planos, a cidade de Itapema poderia vir se tornar num futuro em breve um parque de diversão cultural, de veraneio, praças, trilhas na Mata Atlântica, Tirolesa e muitas outras implementações que a iniciativa privada com suporte da gestão pública poderia construir com pouco ou sem nenhum investimento dos governos, permitindo as inciativas privadas implantar ou adotar projetos desta natureza, onde fará com estas plataformas gerar divisas, empregos e porque não dizer, o emprego de um turismo profissional em substituição ao amador.
“Nos vergonha alheia ao visitar Gramada, por sermos de Itapema e ter como título de capital do Ultraleve e de belas praias, longe de fazer comparações com as culturas de ambas as cidades, sinceramente, vamos precisar de muitos anos de investimentos em educação e de Gestão para poder sermos considerados um povo que leva a sério o turismo”.

Editor José Santana

Veja este vídeo e terá uma ideia próxima do que representa Gramado, RS, no cenário nacional e internacional: