Joinvilenses enfrentam fila para economizar no Dia da Liberdade de Impostos

37
Posto RDP x valores x palhaças
Fotos: Cleber Gomes

Joinville: Os R$ 40,00 de economia com a compra de combustível sem impostos fizeram o aposentado Sergio Murilo de Souza chegar às 23 horas de quarta-feira (1º/6) ao Posto RDP, no bairro Iririú, para garantir o abastecimento de 20 litros de gasolina comum no dia seguinte. Foi a terceira vez que ele participou da ação do Dia de Liberdade de Impostos, organizado pela CDL Jovem pelo oitavo ano em Joinville.

Na manhã desta quinta-feira (2/6), três mil litros de gasolina comum foram vendidos no Posto RDP a R$ 1,57 o litro. Isso foi possível com a dedução de 56% de impostos federais e estaduais, diretos e indiretos da produção do produto. O preço-base da gasolina é R$ 3,58.

Elizandra De Faveri, Israel Luiz Machado e a filha Gabriela, de quatro meses, também aproveitaram o preço mais baixo. A diferença de valor garante um pacote com 12 caixas de leite. O casal costuma pesquisar promoções para economizar.

Segundo Edson Kaminski, sócio-proprietário do posto de combustíveis, às 7 horas, quando o estabelecimento abriu, já havia 200 carros na fila para abastecer. Os veículos ocuparam cerca de 2 quilômetros de extensão da rua Iririú, chegando até a rua Cegonhas. Foram distribuídas 150 fichas, como previa a programação do evento. O abastecimento começou às 9 horas e foi finalizado por volta de 10h30.

O consultor Luis Klein chegou às 7h45 no local e não conseguiu mais senhas. Mesmo assim, reconheceu a importância da ação. “O Brasil tem uma carga tributária de países de primeiro mundo, mas com a disponibilização de serviços de terceiro mundo”, afirmou. “Se você achar que nenhuma ação vai resolver nada, nunca iremos nos mover. Temos de incomodar”.

O coordenador da CDL Jovem, William Escher, avaliou de forma muito positiva a primeira ação do dia. “Tivemos um retorno muito bom das pessoas e nossa intenção é demonstrar que não podemos mais aceitar o aumento de tributos sem o retorno deles para a população. Todos nós devemos cobrar isso”.

Pizzas e coxinhas sem impostos

Além da gasolina, nesta quinta-feira estão sendo oferecidas pizzas e coxinhas sem impostos. A Pizza na Pedra está vendendo 150 pizzas, de qualquer sabor, a R$ 33,00 cada, com dedução de 43%. A média dos preços é R$ 58,00. No final da manhã restavam apenas 40 tíquetes, que podem ser comprados diretamente na Pizza na Pedra (rua Visconde de Taunay, 1.223) durante a tarde e a noite.

Este foi o primeiro ano em que a Dona Zeny participou da ação, com a venda de 100 kits com 100 coxinhas cada por R$ 34,30. O kit sem os impostos custaria R$ 50,00 (30% a mais). Denilson Batista de Souza, coordenador comercial da empresa, conta que às 18 horas de quarta-feira os kits já haviam terminado.

“Nós acabamos de inaugurar a loja do supermercado Condor e a empresa teve de encarar muita burocracia para montar o negócio. Além disso, se não fosse a alta carga tributária, daria para montar mais uma loja e gerar mais empregos”, afirma Denilson.

Exposição da carga tributária

Uma Suzuki Jimny e um ASX também custariam bem mais em conta se não fossem todos os tributos cobrados. De R$ 65.490,00 por R$ 45.747 (43% a menos) e de R$ 97.990,00 por R$ 67.508 (45% a menos), respectivamente. As concessionárias Kayô e Yoko também participam do Dia da Liberdade de Impostos exibindo os veículos no Posto RDP durante o dia e à noite nas proximidades da pizzaria.

Outra ação da CDL Jovem para mostrar a gigantesca carga tributária cobrada no Brasil foi a exibição de vários itens com a demonstração da quantidade de impostos pagos em cada um deles, como o tênis importado (58%), o celular (33%), a conta de luz (48%) e o videogame (72%), entre outros.

Imposto não é brincadeira

O slogan da campanha neste ano é “Imposto não é brincadeira”. Por isso, a ação contou com a participação de duas atrizes-palhaças da Companhia Circo Lira para entreter e sensibilizar os joinvilenses que esperavam para abastecer no Posto RDP.

Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), o Brasil é o sétimo País com a maior carga tributária. E na relação dos 30 países que mais cobram impostos, é o último no retorno do valor arrecadado em serviços à população.