O BRASIL E O GOVERNO DE 30 DIAS

1 603

Por: Bruna Montoro:

Em recente entrevista, o General Hamilton Mourão (PRTB) (atual vice-presidente do governo Bolsonaro) deu uma declaração um tanto quanto intrigante. Ao ser entrevistado pelo jornal O Globo, o General transpareceu ter opiniões um tanto quanto divergentes aos seus aliados.

Confira trechos da entrevista publicada sexta-feira (1):

 “Como o senhor acha que tem que ser tratado dentro do governo os temas de gênero?”

O governo tem que tratar de forma objetiva. É uma questão de saúde pública. Doenças sexualmente transmissíveis são uma questão de saúde pública.

A questão do aborto também é algo que tem que ser bem discutido, porque você tem aquele aborto onde a pessoa foi estuprada, ou a pessoa não tem condições de manter aquele filho. Então talvez aí a mulher teria que ter a liberdade de chegar e dizer “preciso fazer um aborto”.


       “Até mesmo nos casos em que a mulher não tenha condições de manter o filho?”

Minha opinião como cidadão, não como membro do governo, é de que se trata de uma decisão da pessoa.

        A entrevista publicada na primeira semana do mês, onde o atual presidente estava se recuperando da recém feita cirurgia da retirada da bolsa de colostomia. A declaração do nosso vice presidente parece não ter agradado gregos nem troianos, ao nos depararmos com reações de Bolsonaristas nas redes sociais, muitos alegam que o vice está “perdendo a sua essência” ou “querendo agradar demais a esquerda”. Também nessa mesma entrevista, o vice evidencia que não há conversas diretas com Jair Bolsonaro (PSL) desde antes das eleições, e faz a seguinte constatação: “O vice-presidente é uma pessoa permanente no governo. Ele só sai se ele pedir para sair. Os ministros poderão ser trocados eventualmente”.

Então nos questionamos, como o nosso atual governo é declarado abertamente conservador fundamentalista, qual seria a intenção do General na sua declaração? Indo de encontro aos princípios conservadores e cristãos, o vice parece ter aberto discussões e desentendimentos dentro dos seus próprios aliados. Eduardo Bolsonaro afirmou dias após a entrevista com Mourão “Desse daí não tenho nada a declarar. ”

Será que estamos vivenciando o pontapé inicial para uma crise entre os próprios governantes? Extraímos um fato disso: o Governo Bolsonaro não sobreviveu 30 dias sem uma polêmica interna.


Bruna Montoro, 19 anos, estudante de Jornalismo na Universidade Salvador.

1 comentário
  1. Matheus Leal Diz

    Difícil imaginar o que pode vir pela frente, se em apenas um mês já estamos chocados com as decisões deste governo. Belo texto, Bruna!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.