O SOCIALISMO ESTÁ CRESCENDO NA PREFERÊNCIA DOS JOVENS AMERICANOS. A INGENUIDADE TAMBÉM!

Trump declarou emergência nacional para a construção do muro na fronteira com o México, assim como eu tinha avisado na coluna da semana passada.

0 205

A publicação da tradicional revista britânica “The Economist” da semana passada trouxe uma pesquisa onde apontava que 51% dos jovens americanos entre 18 e 30 anos, enxergam com bons olhos o socialismo, porém, há uma grande contradição.

As tensões políticas nos EUA após as eleições presidenciais de 2016 trouxe algumas novidades “interessantes” na política americana. Do lado do Partido Republicano, o crescimento de uma ala nacionalista trumpista. Já no Partido Democrata, o crescimento da ala mais progressista chamou a atenção, os chamados “socialistas-democráticos”.

A eleição interna do Partido Democrata foi disputada entre Hillary Clinton, ex-primeira-dama e ex-Secretária de Estado dos EUA, uma democrata moderada, mais ao centro, e o veterano senador do Vermont, Bernie Sanders, que se considerava um socialista-democrático. A disputa foi apertada, mas Hillary Clinton saiu vencedora e com a nomeação do partido para enfrentar Trump nas eleições gerais. Sanders durante toda sua campanha prometia saúde, educação, segurança e medicamentos gratuitos para toda a população além de extensas redes de proteção social para a população americana o que atraiu a preferência entre os jovens.

Ano passado, durante as eleições de meio de mandato do presidente Donald Trump, grande parte dos políticos democratas que tinham ligação com a ala Democratic Socialists of America (Socialistas Democráticos da América) do Partido Democrata tiveram êxito para uma cadeira no congresso americano. A congressista Alexandria Ocasio-Cortez de Nova York se tornou a cara da nova esquerda nos EUA. Grande parte de políticos ligados a ala-socialista do Partido Democrata cogitam se lançar para a corrida presidencial em 2020, entre eles Bernie Sanders, Elizabeth Warren e Kamala Harris. Ambos, possuem a mesma visão liberal (esquerda americana), a criação de um “Green New Deal”, uma referência ao New Deal criado pelo ex-presidente Franklin Delano Roosevelt em 1933, que foi uma série de programas governamentais para reformar a economia e criar assistencialismo para os prejudicados pela crise de 1929. O Green New Deal tem como objetivo criar programas para pautas ambientais, saúde e educação universal, criação de programas para redistribuição de renda e regulamentações dos grandes bancos.

Diferente do pensamento marxista, os socialistas democráticos nos EUA são contrários a socialização dos meios de produção e a tomada da propriedade privada, não tendo ligação com o pensamento leninista por exemplo. O objetivo dessa ala é seguir os passos de países nórdicos como Suécia e Dinamarca, onde a população paga grandes impostos em troca de programas sociais gratuitos, caindo no gosto dos jovens americanos, principalmente quando se toca no assunto de ensino superior gratuito e de qualidade.

Mas eis a grande contradição desse mundo de arco-íris desejado pela maioria dos jovens americanos. Os socialistas-democráticos querem um “socialismo-capitalista”. Se o objetivo é pagar grande impostos, continuar incentivando o empreendedorismo e criar emprego, além de programas sociais, isso já é feito nos EUA. Os americanos já pagam grandes impostos, possuem acesso a produtos de necessidade básica, moeda forte e transporte para toda a população. O surgimento dos socialistas liberais nada mais é do que modismo cultural, narrativas criadas para impacto, ser globalista-socialista ou ser nacionalista-conservador. O ponto central é que, para os jovens americanos lutarem por saúde e educação gratuitos, não precisam ser socialistas e remodelar a estrutura econômica americana, muito menos achar que isso é viável em outros países. Esse modelo de socialismo-democrático por qual os jovens americanos têm esse “fetiche ideológico”, só é viável em países ricos, cuja população paga altos impostos. E o dinheiro cuja obsessão é em investir em saúde universal, educação universal e meio ambiente é dinheiro capitalista, que só poderá ser possível investir nesses setores através do próprio sistema capitalista. Sem o sistema capitalista não haveria excedente para investimento, e esse sonho de um novo sistema de bem-estar social não poderia nem ser pensado.

CURTA, COMENTE E COMPARTILHE

Os jovens socialistas americanos não fazem ideia do que é socialismo, afinal vivem nas benesses do capitalismo. Acham que o mundo inteiro tem dinheiro e que a culpa de não receberem sua “fair share” (parte justa) é do capitalismo. Se os EUA caírem para esse “Cavalo de Tróia” chamado socialismo-democrático o mundo inteiro cai. A boa notícia, é que nas eleições de 2020 provavelmente o adversário de Donald Trump será algum político ligado a ala-socialista do Partido Democrata, e como Trump será reeleito, talvez dê um fim nessa ingenuidade, ou pelo menos impedirá uma possível chegada de um socialista na Casa Branca.

PS: Trump declarou emergência nacional para a construção do muro na fronteira com o México, assim como eu tinha avisado na coluna da semana passada.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.