Operação Blackmail desmantela quadrilha que cobrava vantagem indevida de comerciantes

393
vereador joinville
O vereador João Carlos Gonçalves (PMDB), teve os cabelos raspados e está em uma cela especial, isolada de outros detentos, na Penitenciária Industrial de Joinville.

Joinville: A operação do GAECO em Joinville prendeu sete preventivamente – um em São Paulo – e cumpriu 14 mandados de busca e apreensão. A ação teve dois alvos: desmantelar uma organização criminosa que cobrava vantagem indevida de comerciantes da cidade e prender agente público que cometia crimes de tráfico de influência e lavagem de dinheiro.

O Grupo de Atuação Especial no Enfrentamento ao Crime Organizado (GAECO) deflagrou na manhã desta terça-feira (8/11) a “Operação Blackmail” em Joinville, no Norte do Estado. A ação teve dois alvos: desmantelar uma organização criminosa que cobrava vantagens indevidas de comerciantes da cidade e prender agente público que praticava tráfico de influência e lavagem de dinheiro. Ao todo foram presas preventivamente sete pessoas – seis em Joinville e um em São Paulo – e cumpridos 14 mandados de busca e apreensão – três em São Paulo e 11 em Joinville.

A investigação apura a existência de uma organização criminosa que cobrava vantagem indevida de empresários relacionada a atividades fiscalizatórias da Secretaria do Meio Ambiente de Joinville (SEMA), ou obrigava a contratação de pretensos serviços administrativos prestados por componentes do grupo criminoso. Os comerciantes eram obrigados a procurar tal serviço sob pena de responderem penalidades administrativas.

Nos próximos dias serão notificados comerciantes que em tese foram alvos da organização criminosa, a fim de serem ouvidos pelo Ministério Público de Santa Catarina.

OUTRA VERTENTE

Durante a investigação surgiram informações sobre o possível tráfico de influência e lavagem de dinheiro cometidos por um outro agente público da cidade. A pretexto de influenciar em atos praticados por funcionários públicos do município, para atendimento a empresários também investigados, o agente público solicitou e recebeu vantagens financeiras indevidas de um dos empresários, que com ele orquestrava a fraude.

ORIGEM
A investigação iniciou com uma denúncia à 13ª Promotoria de Justiça de Joinville, com atuação na defesa da moralidade administrativa, e ocorre em procedimento investigativo criminal próprio. A continuidade dos trabalhos demandará perícia de equipamentos eletrônicos apreendidos, como celulares e computadores, oitiva de testemunhas, informantes e investigados, dentre outras diligências. Participaram da operação integrantes dos grupos regionais do GAECO de Joinville, Criciúma, Itajaí, Blumenau, Lajes, Chapecó e Capital, além de outros policiais de Joinville. O GAECO é uma força-tarefa composta por Ministério Público, Polícia Civil, Polícia Militar, Fazenda Estadual e Polícia Rodoviária Federal.

O QUE É “BLACKMAIL”

Nome da operação: “BLACKMAIL” é expressão inglesa que, traduzida ao português, significa chantagem, procedimento comum aos principais investigados, a partir de achaque a pessoas para obtenção de ilícitos favores em razão da função pública. MPSC

Comentários estão fechados.