País teve oportunidade rara para conhecer os seus deputados (…)

49
bruno-araujo-impeachment
“Imagem de Deputado que deu o voto 342, está lista de corruptos da lava-jato, investigado é ovacionado e carregado nos braços por centenas de corruptos na Câmara Federal” JS

Dia 17, domingo, milhares de brasileiros nas ruas, nas redes sociais e nas tvs, assistiam a votação de impeachment da presidente Dilma, que segundo alguns juristas teria cometido crime de responsabilidade .

A votação de inicio ao fim demonstrou o perfil dos parlamentares que representam os seus eleitores, votos que a luz do politicamente correto foi uma afronta à inteligência, uma vez, que raros os discursos se ativeram a pauta de admissibilidade do relatório em que aponta crimes de responsabilidade.

Dos 342 votos concedidos ao impeachment, 200 estão sendo julgados por algum tipo de “crimes” na grande maioria dos que votaram pelo Sim, estão listados ou processados por crimes de improbidade, corrupção e de responsabilidade.
“Eu voto em homenagem aos meus filhos, por Deus, pela mãe, pai, tiazinha, minha filha que faz aniversário hoje, meus avós falecidos. Teve um deputado que levou o filho para ajudar no voto, teve outro que após o voto, voltou para mandar um abraço para o filho”…
Para lacrar o caixão de Dilma, foi tão hilário e surreal que o deputado que deu o voto de 342, está na planilha da Odebrecht, Bruno Araújo (PSDB-PE) aparece em lista de pagamentos do ‘departamento de propina’ de uma das empreiteiras peças-chave do esquema na Petrobras (…) Em seu voto, pelo sim, justificou, “Quanto honra o destino me reservou de poder, da minha voz, sair o grito da esperança de milhões de brasileiros. Pernambuco nunca faltou ao Brasil, carrego comigo nossas histórias de luta pela liberdade e pela democracia. Após voto, chora de emoção  o deputado ” Bruno Araújo, que deu voto de 342, está lista de corruptos da lava-jato e é investigado por diversos crimes a imagem é surreal aos olhos dos homens de bem, ele foi ovacionado e carregado nos braços por dezenas de corruptos na Câmara Federal” 
A impressão restada desta votação revela uma Câmara de Deputados hipócritas, ladrões e oportunistas, sobretudo, a falta de conhecimento sobre o que estavam votando, um descalabro geral, jocoso e sem moral para melhoria da imagem política do nosso país.
Bem, minha geração passou a adolescência e a juventude defendendo a Democracia, o Estado democrático de Direito; desde 1980 fomos às ruas, pelo fim da ditadura e em favor das eleições diretas que lamentavelmente o povo foi traído por um congresso covarde e conservador aprovando eleições indiretas e dando vitória de Tancredo e Sarney). Depois, fomos às ruas defender a assembleia constituinte que aprovamos as duras lutas a Constituição Cidadã de 1988. Fomos às ruas novamente pelo justo impeachment de Collor em 1992.
Dos esforços realizados nestas lutas a sociedade colheu resultados práticos como o fim do estado ditatorial, as inserções de direitos, garantia do estado democrático de direito, a Constituição Federal, as liberdades de imprensa e de expressão, e agora, o que vamos colher deste processo, infelizmente, não temos esperanças, uma vez que todo este processo de demonização seletiva não nos trouxeram lideres para conduzir o processo de sucessão, não há um nome que nos dê esta garantia de que vamos vencer o mal, inserido em um quadro político endemicamente montado por uma quadrilha orquestrada por corruptos, que não a um se quer em condições de lavar a roupa sem ao menos salpicar o telhado de vidro, o que se esperaria neste processo, reformas importantes para garantir o desenvolvimento da nação, como a tributária, trabalhista, política e administrativa, sobretudo, o alvo das manifestações, o fim da corrupção, manutenção da operação lava jato, sem perder de foco tornar os crimes de corrupção hediondos… Não haverá vencidos e nem vencedores neste processo de impeachment, uma vez que os julgados são os réus e juízes as vítimas… Infelizmente, este é o cenário político em que vivenciamos, estamos guarnecidos por uma quadrilha de bandidos que querem um salvo conduto de heróis da pátria.
José Santana – jornalista