REELEIÇÃO É UM SISTEMA TERRÍVEL USADO PARA ELEGER GOVERNOS CORRUPTOS

0 215

“A reeleição, nos municípios, causa mais prejuízos e menos benefícios à população. Deveria acabar, assim como deveriam ser limitados os mandatos legislativos em dois mandatos”.

A reeleição é uma ferramenta que fomenta a corrupção, é urgente e necessário que o Congresso reveja e possa pôr fim à reeleição, sua criação em 1998, na era FHC, já nasceu eivada de compras de parlamentares, desde então inaugurou-se no Brasil um sistema hediondo de manutenção dos esquemas que segue por décadas neutralizando o potencial de desenvolvimento econômico, social e educacional do povo. Quando damos um voto na reeleição legitimamos a continuidade dos vícios, dos acertos, das canalhices, dos malfeitos, da ineficiência do estado e da omissão dos agentes políticos. 

No Brasil a reeleição foi aprovada em 1998, para beneficiar o então presidente Fernando Henrique Cardoso. Juscelino Kubitschek não pôde se reeleger em 1960, mas iria se candidatar em 1965, se o governo militar de 1964 não tivessem acabado com as eleições diretas.

Para se reeleger, o ex-prefeito Sabino Bussanello, em 2008, deixou de tomar decisões importantes, mas que criam atritos com alguns segmentos. O então o prefeito Sabino Bussanelo (ex-PT), por exemplo, prometeu no palanque a quatro dias das eleições que a sua senadora da república Ideli Salvatti (PT) traria recursos para a construção de um hospital — que não houve, contudo, o governo atual luta pela reeleição, e para muitos entende que a prefeita Nilza Simas (PSD), ao anunciar a construção de um Complexo Hospitalar, além de usar de uma propaganda enganosa teria cometido um estelionato eleitoral a fim de se promover para a reeleição. Desde o ano anterior à eleição, os prefeitos dedicam-se mais à sua campanha do que ao governo propriamente dito. As ações de governo são voltadas para a reeleição, não para a população. Prevalecem eventos e posturas demagógicas, populistas, “canalhas’ e eleitoreiras. Fonte: https://www.folhaestado.com/psl-desmente-anuncio-em-outdoor-feito-por-governo-de-itapema/

Mesmo que este voto na reeleição  venha acompanhado de um roteiro de justificativas e de boas intenções de que o governo investiu na saúde,  na educação,  implantou programas sociais, combateu a violência, implantou programa de habitação,  gerou em empregos, dentro outras tantas medidas para melhorar a qualidade de vida, ainda assim, com tudo isso não justificaria a manutenção do voto na reeleição, porquê,  contudo, sabemos que todas essas ações são obrigações de fazer, porém,  todas as ações de investimentos dos governos está na lei, estão nos planos de gestão,  são práticas que por lei são obrigados, sobretudo, de prestarem contas sobre pena de processos de crimes de responsabilidade civil, criminal… a exemplo do 15% e 25% que são obrigatórios para a saúde e educação,  considerando a folha dos servidores e as obrigações institucionais com o legislativo,  judiciário e a trabalhistas.

A reeleição foi um mal necessário para fortalecer o estado de direito e democrático dos brasileiros, conquanto, no cenário, em que estamos vivenciando da prestação de contas em tempo real, com instalação do autogoverno, a reeleição não contribui com a natureza fundamental dos princípios constitucionais arguidos nos artigos 5º e 37º da CF.

Na leitura rasa, a reeleição atrasa o processo de desenvolvimento e influência negativamente no processo evolutivo de gestão humana, social, educacional e econômico,  devido aos interesses  escusos dos agentes que buscam a reeleição a qualquer custo,  sem se importar com os princípios republicanos da equanimidade,  sobretudo, a reeleição não agrega o interesse público e nos desafiam no dia após dia a lutar contra uma máquina engessado,  cara, amadora e ineficiente devido aos costumes e aos interesses de grupo que  fazem da reeleição uma continuidade de gestão dos seus negócios , a eles não interessa a vontade da sociedade que reclama um governo enxuto,  eficiente e despido de interesses pessoais e de grupos econômicos que fazem da máquina do Estado de ferramentas para enriquecerem uma minoria em detrimento de milhares de cidadãos.

Ajude a colocar um fim no instituto da reeleição criado em 1998/ para reeleger FHC, tem que encontrar resistências, sobre o argumento fático de que seu voto nas eleições de 2020 não deveria ser pelo voto na continuidade de governos que vão para a reeleição. Dê um não fazendo outras escolhas, que seu voto sirva de exemplo para que os políticos saibam que o povo não tolera mais a má gestão provida pelo ego e por interesses não públicos, que esta resposta contra a reeleição seja um freio para desmontar os grupos que saqueiam os direitos dos governados em detrimento da Reeleição. 

Mude já, seja contra a reeleição!  Ela é uma ferramenta que fomenta a corrupção em todos os estágios e o eleitor tem que saber e estar consciente que ele sempre acabará sendo a próxima vítima deste sistema hodierno da reeleição!

 José Santana

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.