REVISTA ‘SAÚDE’ DESMENTE ‘FAKE NEW’

0 1.083

Um vídeo vem sendo compartilhado nas redes sociais, de uma suposta reportagem da revista Saúde, o autor do vídeo fake, faz a narrativa de um exemplar da revista do ano de 2003, ilustra a capa, data e conteúdo da notícia, quem ouve e ver o vídeo pode acreditar, e como notamos, recebemos muitos compartilhamento deste conteúdo falso, após, verificarmos, acendeu o sinal de alerta, entramos em contato com a revista, e encontramos na capa do portal da Revista um comunicado alertando sobre a circulação do vídeo fake new.

O WhatsApp é visto como uma das redes preocupante e mais propícias para a difusão de notícias falsas. Por ser um aplicativo de mensagens privadas e não tem caráter público, é difícil rastrear as “fake news” espalhadas ali e avaliar seu alcance, contudo, somente um investigação criteriosa pode levar ao autor e a prisão dos criminosos.

O vídeo “fake” começa mostrando a capa de revista SAÚDE de maio de 2003. Na sequência, o homem folheia a revista até chegar na reportagem “Ainda não dá para respirar aliviado”. Nessa matéria, de fato se discute as ameaças de um tipo do coronavírus. Mas atenção: o agente infeccioso debatido no texto é o que causou o surto de Sars, ou Síndrome Respiratória Aguda Severa, em 2003. Esse vírus, embora mais letal, espalhou-se menos pelo mundo.

Alerta a nota de Saúde, com uma ilustração; “cuidado com um vídeo que começou a circular, atribuindo conclusões erradas a uma reportagem antiga de SAÚDE.

 (Ilustração: Letícia Raposo/SAÚDE é Vital)

Vamos destacar aqui o link da revista com o desmentido: https://saude.abril.com.br/medicina/comunicado-sobre-video-que-esta-circulando-com-edicao-de-2003-de-saude/

Como não cair nas Fake News?

Seja consciente. Notícias falsas se espalham porque as pessoas naturalmente querem compartilhar informações com suas redes sociais.

Antes de compartilhar um link, sempre reserve um tempo para revisá-lo – muitas vezes esse link será semelhante ao site real, mas com pequenas diferenças.

Veja se a pessoa que escreveu o artigo ou publicação realmente tem propriedade para falar daquilo ou até se a pessoa realmente existe.

Verifique se a notícia não possui tom alarmante. Normalmente, quem cria essas páginas quer que você realmente acesse e compartilhe, então serão utilizados termos de indução psicológica, com tom de urgência como “Atenção!” ou “Cuidado!”

O aumento dos conteúdos fake afeta a sociedade inteira, tanto indivíduos como também os veículos de imprensa, marcas e empresas que se comunicam com seus clientes e muitas vezes são alvos desse tipo de notícia, a exemplo da revista Saúde

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.