São Caetano perde patrocínio e luta para seguir na Superliga feminina

0 14


.

Além de ter enfrentado a pior temporada da história, com apenas uma vitória em 22 jogos na Superliga 2019/2020, o São Caetano sofreu outro baque após o encerramento antecipado do campeonato. No mês passado, o clube, que é um dos mais tradicionais do país na modalidade, com mais de 50 anos de história e tendo participado de todas as edições da elite da Superliga desde sua criação, na temporada 1994/1995, recebeu a confirmação de que o patrocinador não renovaria a parceria que já estava em vigor desde 2012.

O grupo hospitalar, que começou a apoiar financeiramente a equipe de Osasco durante a última temporada, decidiu não renovar o contrato, que venceu em 12 de junho. “Tivemos uma redução grande do investimento já nessa última temporada. Por isso, entramos com um time muito jovem. Entendemos o lado do patrocinador, que foi buscar coisas melhores para ele. Somos muito agradecidos pelos anos de parceria. Mas não morremos, não”, disse, à Agência Brasil, a supervisora da equipe, Marina Miotto.

“Estamos com o trabalho das categorias de base andando normalmente aqui na cidade. Temos o apoio, na medida do possível, do município. A questão agora é saber qual competição vamos disputar”, afirma.

Dentro de quadra, o São Caetano, que encerrou a temporada na última posição, foi rebaixado para a Série B da Superliga. Porém, o clube ainda aguarda as definições por parte da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) para definir o futuro. “Muito tem se falado sobre uma possível junção do Flamengo com o Sesc/RJ, não sei também como está a equipe do Itajaí, que foi a segunda colocada na Superliga B e ganhou a vaga na elite. Nem mesmo a divisão de acesso foi disputada até o final. Enfim, tem muita coisa em aberto. Existe a possibilidade de seguirmos na elite. Mas, o certo é que, na elite ou na divisão de acesso, vamos ter um time. Não vamos parar. Já mantivemos vários contatos com empresas para buscar um novo apoiador”, diz Miotto.

O técnico Fernando Gomes, que seguirá à frente da equipe na próxima temporada, afirmou que esses dois passos são fundamentais para a continuação do trabalho. “A Superliga B dá um pouco mais de tempo para buscarmos um apoiador, pois começa apenas em janeiro. Enquanto isso, a Superliga A geralmente começa em novembro. Em termos de valores, para uma equipe se manter em um bloco intermediário na Superliga A vai precisar de R$ 2,5 milhões. Já na Superliga B, com R$ 1 milhão o time consegue brigar pelo acesso, ficando entre os dois primeiros colocados”, informou o técnico.

Outra preocupação do comandante é o grupo de jogadoras. “Hoje, se você falar de atletas, temos apenas até a categoria infantojuvenil, 16 ou 17 anos. Talvez uma ou outra juvenil consigamos manter com a verba que temos. Agora, para formar uma equipe adulta, falta muita coisa”, lamentou o técnico. Em meio a tantas indefinições, Marina Miotto tem uma certeza: “Vai ser um ano no qual o São Caetano vai brigar pela sobrevivência. Na Superliga A, devemos ter seis meses de jogos. Se jogarmos a divisão de acesso, serão três meses. Vamos aguardar essas definições para montar nosso plantel”.

Edição: Fábio Lisboa

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.