SER DE ESQUERDA OU DE DIREITA, OPOSIÇÃO OU DE SITUAÇÃO?

“Como fugir destes grupos ideológicos, não é fácil, é preciso ter uma visão de mundo, de história e de geopolítica para se livrar da lavagem cerebral, feitas pelas doutrinas de extrema-esquerda e de direita-extrema”

0 93

Os maiores erros que comentemos é o de ser posicionar de “ESQUERDA” ou de “DIREITA”, sem ao menos pesquisar sobre as ideologias que fundamenta ambas, um dos maiores políticos de toda história, Jesus, quando perguntado sobre governo, ele foi categórico “dê ao governo o que é do governo”, com isso, explicou que nem esquerda e nem direita é um bom negócio, posto que ambos te usam como são massas de manobras e ferramentas para implementação de seus intentos, quando nos colocamos na ESQUERDA ou na DIREITA de um governo estamos avalizando todos os seus intentos, sendo elas más ou ruins. Já existe um termo para os perfis de esquerda ou de direita, a história mostra que tanto a esquerdas quanto diretas fundamentais foram cruéis contra seus adversários, não importando as consequências.

Vamos as pesquisas, vejamos o que dizem os cientistas políticos, filósofos estudiosos do comportamento ideológico. Hoje, as nomenclaturas de “DIREITA” abrangem conservadores, democratas-cristãos, liberais e nacionalistas, e ainda o nazismo e fascismo na chamada extrema direita.  É bem fácil de identificar os dois extremos, vejamos que são eles, os de “EXTREMA DIREITA” Têm posicionamentos radicais, geralmente relacionados ao nacionalismo. Exaltação ao partido, sigla e líder e seus aspectos culturais e históricos leva – em muitos casos – à percepção de superioridade em relação a outras culturas e até mesmo comportamentos de preconceito, indiferença, ódio e xenofobia” que é o medo ou aversão ao outro e ao estrangeiro.

Já os de ESQUERDA visa a igualdade social e ao desmantelamento de todas as formas de estratificação social. Esquerdistas mais extremistas procuram abolir todas as formas de hierarquia, nomeadamente a distribuição desigual de riqueza e poder. A extrema-esquerda procura uma sociedade em que todos têm oportunidades econômicas e sociais iguais e ninguém tem mais riqueza ou poder do que qualquer outra pessoa, quase uma ficção!

Essa guerra em que eu sou patriota e você não, que eu sou de direita e você é de esquerda, é um discurso fundamentalista estereotipado, porém vale ressaltar que ambas, tanto esquerda e direitas extremas são um perigo para a democracia, posto que ela não pode ser conquistada nem pela a esquerdas e nem por direitas extremas. A guerra de memória, quando se divide entre um combate entre “esquerdistas” e “direitistas”, aceita diversos pressupostos da lógica autoritária. No entanto, a democracia não pode ser “conquistada” por nenhuma ideologia: a democracia pressupõe a intensificação da pluralidade, do justo, da simetria e do dissenso. Na visão simplista e mais limitada do cotidiano, podemos dizer de pronto que os que se declaram “ESQUERDA” de “DIREITA” são no sentido plural da palavra “ignorantes”. Há acadêmicos que apontam, inclusive, que em alguns casos a simples dicotomia entre direita/esquerda pode ser antidemocrática e prejudicial aos avanços culturais e civilizatórios, colocando no mesmo cenários dois atores importantes em divergência a manutenção da democracia.

Como fugir destes grupos ideológicos, “não é fácil é preciso ter uma visão de mundo, de história e geopolítica para se livrar da lavagem cerebral, feitas pelas doutrinas de esquerda e de direita extremas”, contudo, há caminhos para fortalecer os laços entre nações, povos e comunidades sem cair nos males dos extremos, ser moderado, de “oposição” ou de “situação” e antes de quaisquer posicionamento, refletir, estudar e sobretudo pesquisar se a plataforma sugerida não possui víeis ideológicos de fundo, porém, a melhor participação é caminhar com prudência, como se opor sem ser taxado de extremos;

Exemplo: Ser “oposição” política realmente é algo central não apenas para o funcionamento dos regimes democráticos, do ponto de vista das cobranças das ações, projetos governamentais, mas como também para a própria caracterização do que é um sistema democrático. “Não podemos compreender oposição e situação como aquele que está certo e aquele que está errado”. Qual é o perfil de um opositor: Oposição é aquela que delineia, acompanha e cobra a forma de atuação do governo, sem criar bloqueios desnecessários e prejudiciais à governança.

Exemplo: Ser Situação Política: Não visto com bons olhos ser de situação, posto que são taxados de “puxa sacos” do governo, em tese, os de situação são aqueles que pertencem ao partido do governo, só pode ser considerado de situação os filiados na agremiação partidárias, porém, ainda, os de situação, são aqueles que aplaudem os governos quando passa ou quando anuncia uma ação, na maioria essas pessoas se frustram por acreditar em projetos que não são realizados e podem se tornar uma oposição extrema, o que não é bom… então, os de situação são os que aprovam os governos, mesmo sem conhecer a fundo os resultados das políticas públicas, quando seus chancelados comentem um erro, eles demoram para restabelecer e assumir que falharam em apoiá-los.

“Na minha opinião, o terceiro pilar da democracia, que no lema da Revolução Francesa foi altamente explicitado, isto é, a fraternidade, é aquele que alimenta o dinamismo que realmente combate a desresponsabilização individual”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.